Quinto POSTULINTER 2021

Nos dias 07 e 08 de agosto ocorreu o quinto Postulinter do ano de 2021, com o tema: “Jesus Cristo: pessoa e missão”, assessorado pelo prof Diogo Marangon Pessotto. Iniciando nossos estudos, nosso assessor apresentou como se daria sua fala, ponderando os temas a serem trabalhados, bem como sua metodologia.

Revendo um pouco da historia de nossa igreja desde a década de 50, percebemos alguns pensamentos equívocos que foram se instaurando no desenrolar da história, referente à pessoa de Cristo. Retomando as passagens do Antigo Testamento, analisamos a Cristologia contida ali, as referencias a Cristo, mesmo sem sua nomeação explícita. Podemos ver isto a partir de três bases: a aliança (dialogo entre Deus e o homem, confirmado em Cristo); profecia (o messianismo que é a intervenção definitiva de Deus na história do povo) e a sabedoria (que é a união entre palavra e ação: aquilo que Cristo viveu plenamente).

Analisamos, também, o modo como Jesus é apresentado em cada um dos Evangelhos; mesmo tendo a mesma intenção - anunciar – cada evangelista escreve de uma forma devido ao público destinatário de sua obra. Em Atos dos Apóstolos percebemos a forte presença do Querigma, o que é definido, mais do que um mero “falar-ouvir”, como o encontro pessoal com Cristo, que se dá sim a partir da pregação, mas vai além dela. Nas cartas Paulinas percebemos a apresentação forte de Cristo como o homem-Deus que se esvaziou para nos encher de Sua divindade.

Encerrando nossa tarde de sábado, vimos alguns pontos da história de nossa Igreja, desde seus primórdios, a partir das heresias que se propuseram em seu caminho e os Concílios que vieram como resposta frente a estas. Interessante notar que algo negativo, como as heresias, sendo bem trabalhadas, nos levaram a algo muito positivo, os Concílios, e o desabrochar mais exuberante das belezas e verdades de nossa fé.

Na manhã de domingo refletimos sobre a vida pública de Cristo afirmando que não há um “Cristo da fé” sem um “Jesus histórico” e assim sendo vemos a concretude da existência de Cristo: Jesus viveu!  Um ponto interessante abordado da vida de Cristo foram os seus milagres. Não se trata de uma formula ou uma magia. Para que o milagre acontecesse era necessário a fé pessoal, sendo o milagre, não o fim, mas um meio. O fim é a comunhão com Deus. O milagre restitui a nossa filiação primeira e nos conduz a plena comunhão.

Pensando na condição da Cruz, é importante notar que a cruz não foi um fracasso heroico, mas uma consequência da missão. Assim também nós, em meio à missão que somos, teremos uma cruz a enfrentar, mas a nossa força impulsionadora, como a de Cristo, é a confiança em Deus, é a ressurreição. 

Atualizando o tema para nossos dias, para nossa realidade enquanto consagrados, é interessante notar que Cristo foi uma pessoa integra em ser e fazer, e do mesmo modo nós somos chamados a ser e ver os nossos irmãos e irmãs como este ser único e integral, que vai muito além do que pensamos, por isso a necessidade do respeito, ajuda mútua e oração fraterna na grande beleza que é a comunidade dentro da vida religiosa.

Que Maria, Mãe das Vocações, interceda por cada um de nós e nossas comunidades, neste mês vocacional, para que possamos bem viver a exemplo de seu filho e nosso Mestre, Cristo Jesus.

 
Indique a um amigo
 
 
Notícias relacionadas